Browsing Category:

América do Norte

Um dia off em Montreal

Posted in Canadá
on 14 de julho de 2018

Bom meu primeiro voo longo como comissária não poderia ter sido num destino melhor….

Sim Canadá para mim sempre foi um SONHO,  e eis que eles me mandam nada mais nada menos pra Montreal, então bora começar as dicas do que fazer, onde comer e tudo mais !!!!


Em Montreal, o que fazer?

 

O Hotel que ficamos fica praticamento no Aeroporto Internacional Pierre Elliott Trudeau (YUL) de Montreal fica a cerca de 20 quilômetros do centro da cidade, por isso, se você estiver por lá, a cidade estará perto o suficiente para explorar. Aqui está o meu guia de como você pode aproveitar ao máximo seu tempo em Montreal.

Existem algumas opções de transporte a serem consideradas quando você estiver indo para a cidade a partir do aeroporto. A maneira mais econômica é através do sistema de transporte público da cidade (STM), que oferece um serviço de transporte 24 horas por dia, 7 dias por semana, com duas opções de rota. O terminal de destino Lionel-Groulx é um serviço de transporte único que leva entre 25 e 35 minutos, dependendo do tráfego, e o deixará na estação de metrô Lionel-Groulx, e o Destination Center-ville faz 11 paradas no centro da cidade com um tempo estimado de viagem de 45 a 70 minutos. O custo é de CAD$ 10, que também inclui uso ilimitado de transporte público nas redes de ônibus e metrô da STM por 24 horas consecutivas.

Os táxis podem te levar ao centro de Montreal por uma tarifa fixa de CAD$ 38,00, além de que você também pode pedir um Uber. A Via Rail oferece traslado para o aeroporto quando você precisar viajar da estação ferroviária de Dorval e do YUL.


Se você tem 3 horas …

Se você tiver apenas algumas horas, mas está ansioso para ter uma idéia de Montreal, vá até o bairro mais popular da cidade para os turistas de plantão: o Porto Velho. Esta área é o distrito mais histórico de Montreal, com ruas de paralelepípedos alinhadas com edifícios que datam da década de 1700. Mesmo com uma breve passagem, uma rápida excursão ao Porto Velho é uma ótima maneira de vislumbrar a longa história de Montreal e as raízes coloniais francesas, incomuns para as cidades da América do Norte, com um táxi, o Porto Velho fica a cerca de 20 minutos do aeroporto.

Vieux-Port de Montreal, 333 Rue da Commune O, Montreal, QC, Canadá


Se você tiver 5 horas …

Com um pouco mais de tempo, você pode optar por ir ao centro da cidade e seguir para Mont-Royal, o grande parque cênico que se eleva acima da cidade e oferece excelentes vistas panorâmicas. Eu recomendo fazer uma caminhada sinuosa pela montanha durante os meses mais quentes (de junho a outubro) para ter uma idéia do terreno local e se misturar com os locais enquanto eles correm, caminham ou andam de bicicleta pela “montanha”.

Depois de chegar ao mirante principal no topo, você poderá apreciar a bela vista do centro da cidade, alcançando o rio St. Lawrence e além. Para acelerar a viagem até o topo, que pode levar cerca de 45 minutos a pé, você pode pegar um BIXI do sistema de aluguel de bicicletas da cidade. O parque fica a cerca de 35 minutos de carro do YUL.

Ir para o topo do Mont-Royal é uma excelente opção se você quiser se exercitar um pouco depois do seu longo voo. Se você estiver em um domingo, poderá assistir ao Tam-Tams, um festival semanal gratuito e informal que se reúne em torno do monumento George-Étienne Cartier do parque durante o verão. Pegue um lanche de um dos vendedores ambulantes e junte-se a tocadores de tambor, vendedores, dançarinos e visitantes enquanto se sentam na grama, fazendo piqueniques e relaxando.

Mont-Royal, Montreal, Canadá


Se você tiver 7 horas …

Com uma escala mais longa, você pode combinar uma exploração do Porto Velho com o passeio na natureza Mont-Royal. Se possível, pegue um BIXI para diminuir o tempo de viagem entre as duas áreas – ou um táxi. Com algumas horas extras, você também pode ter uma melhor noção das melhores refeições da cidade depois. De Mont-Royal, você pode fazer uma caminhada de meia hora até o Boulevard Saint-Laurent, uma das artérias conhecidas de Montreal para restaurantes, bares, cafés e boutiques. A principal recomendação que dou é a Schwartz’s Deli, onde você pode esperar na fila para experimentar um dos famosos sanduíches de carne defumada. A Schwartz’s existe desde 1928 e continua sendo uma das experiências gastronômicas mais emblemáticas de Montreal. De Schwartz, pegue um táxi de volta para o aeroporto. Se o tráfego estiver a seu favor, levará pouco menos de meia hora.

Schwartz’s Deli, 3895 St Laurent Blvd, Montreal, QC, Canadá, +1 514 842 4813


Se você tiver 12 horas …

Se você tem meio dia (ou mais) para gastar na cidade, pode levar sua experiência de Montreal para o próximo nível, visitando alguns monumentos importantes e um dos museus de classe mundial da cidade, além dos recomendados itinerário acima. Desta vez, enquanto estiver no Porto Velho, faça uma parada na impressionante Basílica de Notre-Dame, originalmente construída em 1656, que é a mais antiga igreja católica de Montreal. A Basílica é conhecida por seus vitrais de tirar o fôlego, trabalho de design intrincadamente dourado e altar-mor.

Depois de explorar Mont-Royal e almoçar no Schwartz’s, você pode fazer o seu caminho via BIXI ou a pé (30 minutos) até o Musée des beaux-arts de Montréal, que é um dos museus mais famosos do Canadá. Há também o Museu de Arte Contemporânea de Montreal, que mostra trabalhos de vanguarda de artistas internacionais e de Quebec. Você pode acessar o ônibus 747 de qualquer um dos museus, que dará acesso ao sistema de metrô para que você possa embarcar no ônibus na estação Berri-UQAM.

 

Basílica de Notre-Dame de Montreal, 110 Notre-Dame St W, Montreal, QC, Canadá, +1 514 842 2925

Museu de Belas Artes de Montreal, 1380 Sherbrooke St W, Montreal, QC, Canadá, +1 514 285 2000

Museu de Arte Contemporânea de Montreal, 185 Saint-Catherine St W, Montreal, QC, Canadá, +1 514 847 6226

Após um dia inteiro explorando a história, a arte, a arquitetura e a natureza de Montreal, você aproveitará ao máximo sua passagem e conhecerá alguns dos melhores locais culturais que a cidade tem a oferecer. Mas mesmo uma parada mais curta fornecerá informações suficientes sobre o pulso criativo de Montreal, o que certamente o convencerá a retornar para uma viagem mais longa na próxima vez.

 

7 motivos para conhecer o Canadá agora mesmo

Posted in Canadá
on 23 de outubro de 2017

Há tempos o Canadá desponta como um grande destino turístico e, em 2017, celebra 150 anos. Assim, é um grande destino para visitar ainda este ano, visto que comemorações estão acontecendo em suas principais cidades, tornando-o ainda mais incrível. Listei aqui 7 motivos para conhecer o país agora mesmo – e um fator extra é que as passagens aéreas para o Canadá, em certas datas de 2017, ainda podem ser encontradas a bons preços!

1 – Natureza estonteante

O Canadá é o segundo maior país do mundo (perdendo apenas para a Rússia), e esse vasto território abriga diversas belezas naturais de costa a costa. As Montanhas Rochosas, cordilheira de quase 5 mil quilômetros de extensão que corta parte da América do Norte, estão na porção oeste do país e reservam parques nacionais – que têm entrada gratuita em 2017 – onde lagos de azul intenso contrastam com montanhas acinzentadas quase sempre nevadas no topo. Banff e Jasper são dois parques nacionais na região, belíssimos, e, não à toa, a estrada que os conecta, conhecida como Icefields Parkway, é considerada uma das estradas mais linda do mundo.

Na costa leste, estão as Cataratas do Niágara, conjunto de cachoeiras extremamente volumosas e cercadas por mata nativa que o Canadá compartilha com os EUA, sendo possível visitar ambos os lados em um mesmo passeio. Quem gosta do frio pode se dirigir ao extremo norte do país, onde charmosos vilarejos, como Yellowknife e Whitehourse, são cercados por montanhas nevadas e oferecem trilhas e passeios de trenó e de caiaque.

Safáris bem diferentes do imaginário em torno das savanas africanas também fazem parte do turismo pelo Canadá. Enquanto no povoado de Churchill dá para passear em busca de ursos polares em veículos 4×4, próximo à Vancouver há barcos turísticos que saem à procura de baleias e focas. A região de Newfoundland e Labrador é uma das principais do mundo para apreciar icebergs, e a província de Saskatchewan possui desertos alaranjados com formações rochosas curiosas, como a arredondada Big Muddy Badlands.

Perto de Quebec, a Península de Gaspé desponta pelos paredões próximos ao mar e a Baía de Fundi, local com a maior variação de marés do mundo, pelas formações arenosas moldadas pelo vento.

E mais: por todo o país, especialmente nas regiões mais ao norte, encontram-se pontos de apreciação da Aurora Boreal (que costuma aparecer nas noites claras de inverno), sendo o norte da província de Quebec um dos mais disputados pelos turistas.

2 – Cidades organizadas

As cidades canadenses são exemplo mundial de organização e progresso, e grande parte delas está concentrada na costa leste – inclusive a capital Ottawa. Menos visitada do que algumas de suas vizinhas, a capital apresenta um potencial turístico subestimado.

O que não faltam aqui são calçadões arborizados às margens do Rio Ottawa, além dos prédios pomposos do Parliament Hill e do ambiente moderno da National Gallery (que possui uma aranha gigante bem em frente), que ajudam a tornar Ottawa uma boa parada.

Pertinho da capital, Montreal tem o francês como idioma oficial e é a segunda maior cidade canadense; oferece um clima jovial e diversas regiões cheias de atrativos, como a Vieux-Montreal (a Velha Montreal), o Centre-Vile (a porção moderna) e o The Village, bairro descolado e ícone da comunidade LGBT canadense. De influência francesa ainda maior é Quebec, ao norte de Montreal, porém de menor tamanho do que esta. Exala um intenso clima europeu, especialmente no Centro Histórico e na Place Royale, praça cercada por charmosas construções medievais. Conta ainda com bons museus, parques e uma fortaleza a cercar parte da cidade.

Toronto é a maior metrópole do Canadá e a quarta mais populosa da América do Norte, grandeza que pode ser conferida na CN Tower – um dos 7 mirantes mais impressionantes do mundo. Nas margens do Lago Ontário, é uma das cidades culturalmente mais heterogêneas do mundo, com quase metade da população formada por imigrantes. As atrações principais são os museus e galerias, a vibrante área central, a vida noturna agitada e algumas belas construções centenárias, como o castelo Casa Loma, do século 18, além, é claro, da mencionada torre.

Vancouver, na costa oeste, é a terceira maior cidade do país e, para muitos viajantes, uma das mais agradáveis em todo o Canadá. Por estar rodeada pelo mar, por um rio e por montanhas, possibilita diversos passeios ecológicos nas redondezas e visuais incríveis que podem surpreender o visitante a cada rua. A área do mercado, junto ao antigo porto, é um dos locais mais bacanas para se passear.

3 – Diversidade cultural

O intenso apoio canadense à diversidade em todas as suas formas vem sendo notícia nos últimos anos. Ao contrário de outros países, como os EUA e mesmo o Brasil, o governo canadense tem procurado tomar medidas pela igualdade de gênero e pela integração dos imigrantes na sociedade local. Em 2015, passou a contar com um número igualitário de homens e mulheres nos cargos ministeriais, sendo muitos desses representantes de diferentes religiões e de populações minoritárias.

O país também é referência mundial para direitos LGBTs, tendo criado leis avançadas voltadas para o grupo; até mesmo igrejas apoiam o casamento homossexual, que foi legalizado no país em 2005. Políticas que facilitam o intercâmbio estudantil também fazem o Canadá receber, constantemente e em larga escala, estudantes de todas as partes do mundo, fazendo circular o conhecimento e a cultura (vá a Vancouver e descubra como há muitos estudantes brasileiros na cidade).

4 – Desenvolvimento em estrutura turística e no transporte

O avançado planejamento urbano canadense favorece moradores e turistas. O sistema de transporte público é bem sinalizado, pontual e limpo. Ciclovias foram integradas ao sistema urbano de várias cidades, como Montreal e Vancouver, sendo então a bicicleta uma ótima forma de locomoção. Por ser um país oficialmente bilíngue, o inglês se faz presente até mesmo nas regiões francófonas, e os museus e atrações apresentam mapas e explicações em ambas as línguas e, frequentemente, em diversas outras.

Em comparação a outros países de tamanho continental, as empresas de aviação apresentam preços razoáveis para os voos mais frequentes (mas é importante comprar com antecedência). Já alguns percursos são perfeitos para alugar um carro e desfrutar das bem-pavimentadas estradas canadenses. Barcos costumam estar disponíveis para acessar as dezenas de ilhas. Os ônibus são bons, baratos e frequentes, quase sempre com internet (que funciona) disponível dentro dos veículos – perfeitos para se locomover entre as cidades da costa leste. E ainda há os inesquecíveis trens…

5 – Trens confortáveis

O Canadá possui um estupendo sistema ferroviário, com mais de 6 mil quilômetros de extensão, que passa por 8 províncias. A rota mais popular é a que vai de Toronto a Vancouver, de costa a costa – no trem conhecido como The Canadian. Trata-se de uma fascinante viagem de 4 dias, que pode ser realizada em assentos reclináveis (economy), em assentos que viram beliche (sleeper plus) ou em cabines com assento/cama e banheiro privativo (prestige class) – esta última, uma verdadeira primeira classe (porém mais em conta do que as de avião), inclui todas as refeições, que são bastante saborosas.

Quem quiser economizar tempo ou dinheiro (e assim mais facilmente investir na prestige class), pode fazer só aquele que é provavelmente o trecho mais bacana do The Canadian: o trajeto de Jasper a Vancouver – 1 dia e 1 noite de viagem. Este percurso passa pelos excepcionais cenários das Montanhas Rochosas, e vagões com amplas janelas, alguns com tetos de vidro, facilitam que o viajante aprecie as paisagens de montanhas, lagos, vales e bosques do leste canadense. É a chance de viajar (muito bem!) e conhecer o país com um meio de transporte que infelizmente não temos no Brasil.

6 – Segurança

O Canadá quase sempre está nas listas de países mais seguros do mundo e é um dos 10 melhores países para mulheres que querem viajar sozinhas. A elevada qualidade de vida, as leis e práticas para recebimento de imigrantes e o planejamento urbano ajudam o país a ter uma baixa taxa de criminalidade. Como em todos os destinos do mundo, porém, é preciso ter cuidado em atrações muito movimentadas, pois turistas embasbacados pela beleza do local se tornam alvos fáceis de furtos.

7 – Gastronomia eclética

Toda diversidade cultural desencadeia uma gastronomia eclética que mistura diversos sabores do mundo. Nas principais cidades, é possível até mesmo provar gastronomias difíceis de encontrar fora de seu país de origem. A culinária etíope, por exemplo, é um dos sabores que são atração turística e conta com mais de dez restaurantes típicos apenas em Toronto. Também há restaurantes vietnamitas, peruanos, nepaleses, brasileiros…

Entre os restaurantes, alguns recomendados:

  • Em Quebec: Panache, aconchegante restaurante situado dentro do Auberge Saint-Antoine, possui um delicioso cervo ao molho de cranberry com pistacho; Chez Jules Restaurant, pequeno e simpático, situado bem no centro histórico, é acessível para os padrões locais; Le Saint-Amour, um dos melhores restaurantes de Quebec, não é dos mais baratos, mas os pratos deliciosos compensam, como o Sea Scallops (vieras).
  • Em Montreal: Padoca Patisserie Brésilienne, café brasileiro no The Village, pra conversar em português com a simpática proprietária, Gabrielle, e saborear pão de queijo, pastel, coxinha ou o recomendado sanduíche de picanha – e tudo com economia. Maison Boulud, elegante restaurante situado no Ritz-Carlton Hotel, tem pratos como salmão ou filé grelhado, assinados pelo chef francês Daniel Boulud.
  • Em Toronto: Para unir a refeição a um ponto turístico, St Lawrence Market, de atmosfera movimentada e diversos quitutes por bons preços. Para comer com mais requinte, invista no Café Boulud, restaurante do conceituado chef na cidade, situado no hotel Four Seasons, com ambiente descolado e um vasto cardápio celebrando as carnes, os frutos do mar e outros sabores da gastronomia franco-canadense.
  • Em Vancouver: o Mercado Granville Island, situado na antiga área portuária, é um ambiente bem descontraído, onde vários quiosques servem pizzas e pratos rápidos para quem quer gastar pouco. Black + Blue, famosa steakhouse, espere encontrar as carnes mais saborosas e macias da cidade neste bar restaurante popular entre nativos e turistas. ARC Restaurant, serve café da manhã, brunch, almoço, janta e também funciona como bar, bem em frente à badalada área de Canada Place.